Promoção de Natal

24 de ago de 2009



Capítulo V


Outubro de 1633

 


                       Anavilhanas estava sendo preparada para o ritual da fertilidade, pois chegara a época da celebração. Yana e Amanari iriam com outras guerreiras até a ilha de Tupé para colher o paricá, uma erva alucinógena usada durante o ritual para evitar o envolvimento emocional das guerreiras com seus pares. 

         As canoas oscilavam perigosamente sobre as turbulentas águas do rio Negro, agitado devido à tempestade ocorrida horas antes. As jovens precisariam ter muito cuidado durante a travessia, pois o rio parecia pronto a tragar quem ousasse enfrentá-lo. Chegando ao seu destino, elas aliviaram a tensão ao se embrenharem entre os arbustos para colher a erva. Aos poucos, o trabalho deu lugar à diversão, e correndo, subiram a colina que dividia a pequena ilha. De lá era possível vislumbrar o espetáculo que os botos cor-de-rosa proporcionavam a quem pudesse vê-los. Distraídas, caminharam de volta para a areia da praia, quando o encanto foi quebrado pela cena que se apresentou: espalhados pela areia branca, vários homens encontravam-se desacordados, apresentando ferimentos profundos. O cheiro de sangue fresco já atraía os répteis para o local. 

          Yana engoliu em seco, e se apressou para afastar um jacaré que se aproximava de uma das vítimas. Avançou em sua direção, e fixando o olhar nos olhos do animal, buscou dentro de si o instinto primitivo de seus ancestrais. Então, ordenou mentalmente que voltasse para a água. Hipnotizados pelo poder emanado daquele espírito, os répteis retornaram ao rio.  Um ligeiro mal-estar se apossou da mulher, e recuperando-se do transe, ela falou com a voz embargada: 

         -A fúria dos deuses foi implacável com eles. Venham, precisamos ajudá-los. Amanari, temos que ver quem está mais ferido. Maíra, vá até a colina e traga cipó-d'alho e unha-de-gato. Examinem todos com cuidado, lavem os ferimentos e usem as ervas. Depois levaremos os homens para as canoas. 

       Elas se apressavam para cumprir as ordens. Ouvindo um lamento de dor, Amanari precipitou-se em direção ao som, gritando agitada:

      -Yana, encontrei mais um com vida! Ajude-me a levantá-lo para que possa respirar melhor. Depressa! 

    Imediatamente Yana ajudou a irmã, e as duas encontraram dificuldades para recostá-lo no pequeno monte de areia. Quando finalmente conseguiu virá-lo, Yana o fitou, atordoada. Nunca havia visto um homem de traços tão perfeitos. Os cabelos longos e louros misturavam-se aos grãos de areia, e as roupas molhadas e esfarrapadas revelavam músculos de um corpo poderoso. Um corte profundo rasgava sua testa, e o estranho parecia sofrer, com a boca comprimida em um gesto de dor. Então, sem se dar conta, ela passou suas mãos pela fronte do homem, necessitando tocá-lo de alguma forma. Confusa, ela não compreendeu o sentimento que invadiu seu peito, e por um breve momento desejou tomar para si a dor que ele sentia.  

    -Maíra - ela gritou aflita -, traga a erva para estancar o sangramento. Este homem está muito mal. 

          

       O suave toque em sua testa aliviou a dor que ele sentia, como se fosse o toque de um anjo. Por um instante, Rodrigo abriu os olhos para ver quem o acariciava tão docemente. 

        -Quién eres tú?

       A voz rouca acariciou seus ouvidos, e Yana fitou o desconhecido, mergulhando no verde de seus olhos, que possuía um tom tão vivo quanto o das folhas da floresta. Ele estendeu a mão para ela, querendo dizer algo, e ela afagou a mão do estranho entre as suas, sentindo um agradável calor tomar conta de seu ser. Tentou organizar os pensamentos, e alarmada, prendeu a respiração. O tempo parou. E ela só voltou à realidade quando ouviu ao longe a voz angustiada de sua irmã: 

         -Yana, o que houve, você está bem? 

         Respirando profundamente, ela soltou as mãos do ferido. 

       -Não se preocupe, foi um ligeiro mal-estar. Fiquei fraca devido à energia que doei para ele.

     Rodrigo fez um enorme esforço e abriu os olhos novamente, sorrindo para sua salvadora. Foi o sorriso mais terno que ela já havia visto, e isso a comoveu. Prometeu a si mesma que ia salvá-lo, mesmo que o ato ligasse seu espírito ao dele para sempre... O tempo era a diferença entre a vida e a morte, precisava apressar-se.


            

11 comentários:

  1. Meninas, blog novo?!

    Já estou com sono, mas amanhã voltarei para ler o post, tá?

    Sucesso!

    Beijosssssss

    ResponderExcluir
  2. Yana tem poderes telepaticos como meu Axel! kkk

    Adorei esse clima de encanto que surge entre ela e Rodrigo.

    Quero mais! rs

    Beijossssssssssss

    ResponderExcluir
  3. ...rie
    el alma
    aun
    con el
    aureo
    nevar
    del corazon
    hecho
    del valor
    tras la muerte
    en una dulce
    tentacion
    tatuada
    del alma
    en vuestras
    palabras...


    desde mis --- horas rotas---

    en donde lo que no me aniqula me
    hace mas fuerte...niestze, mi filosofo preferido os doy un fuerte
    abrazo , sigo vuestras --.
    --almas tatuadas--- compartiendolas.................


    afectuosamente, al otro lado

    donde el espejo da luz siempre

    que lo abras desde el amor ...


    jose

    ramon...

    ResponderExcluir
  4. Meninas... Um mundo encantado por aqui também...

    Já estou seguindo todas... assim não perco nadinha, das doces magias que acontecem por aqui...rs


    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Uau! :)

    É tudo muito bonito por aqui!


    Pedro Antônio

    ResponderExcluir
  6. Oi Índia
    Vamos colocar uns pedacinhos do livro de vez em quando... Adorei seu Axel!!!!!!! Anjo poderoso!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Neiva

    As partes que vc já viu são postagens que havíamos feito nos Sonhos Secretos, quando pensávamos em usar o blog pra divulgar o livro. Mas ele seguiu um rumo próprio, e resolvemos abrir esse aqui só pra falar sobre nossos livros ( o segundo está quase pronto...) Então colocamos as postagens mais interessantes pra contar nossa história.
    Beijos pra vc!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Oi Jose Ramon

    mi español es muy pobre, pero quiero agradecer sus bellas palabras... amamos Nietzsche!!! "lo que no me aniqula me hace mas fuerte" aqui falamos no popular "o que não mata, engorda" rsrsrsrrs

    Gracias!!!!

    ResponderExcluir
  9. Ava, vc é d+!!!!!!!!!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Pedro
    Que bom que vc gostou! O seu blog é muito cativante!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Às vezes o On e o Off se misturam, por causa dos muitos anos de convívio (já são 5 anos). Mas para saber se é o Off que fala é só perceber o excesso gótico depressivo em suas palavras ou a sua impaciência grosseira rsrs
    Com um pouco de sorte, vocês não terão de lidar diretamente com ele rs
    Dá pra perceber a bipolaridade dele, é só ver quando ele não me deixa trabalhar kkk
    Bjus, lindas! Obrigado pela nova visita ;)

    ResponderExcluir

Queremos conhecer sua opinião :)

A Sacerdotisa Yana e o Capitão Rodrigo

Capa do livro "Herança da Paixão", de Shannon Drake
Minha'lma de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver
Não és sequer a razão do meu viver, pois que tu és já toda a minha vida

Não vejo nada assim, enlouquecida
Passo no mundo, meu amor, a ler
No misterioso livro do teu ser, a mesma história tantas vezes lida

Tudo no mundo é frágil, tudo passa
Quando te digo isso, toda a graça
De tua boca bonita fala em mim, de olhos postos em ti, digo de rastro

Podem voar mundos, mover astros
Que tu és como um deus, princípio e fim."

Florbela Espanca