Promoção de Natal

7 de nov de 2009

Rudá






Rudá havia se deixado dominar pelo ódio, após a conversa que tivera com Caia. Então, dirigira-se com firmeza até Yana, agarrando seu braço...
- O que está fazendo, largue-me!
As sobrancelhas dele se arquearam, dando a seu rosto uma aparência demoníca.
- Cale-se e me obedeça! Venha comigo em silêncio...

10 comentários:

  1. Nossa essa parte é muito intesa. O Rudá é muito mal, mas é também muiti gato. O que me faz perguntar porque nós escritoras semrpe comolcamos o vilão lindissimo o e mocinho maravilho? será que é para decepcionar aa leitoras ou para deixa-las na duvida de quem elas devem gostar mais. Eu acho que nossa intensão é a segunda, mesmo que essa decisão nos deixe loucas e divididas.

    O Livro de vocês é Lindo!

    Parabens.

    Rhaysa Kiltts.

    ResponderExcluir
  2. Oi Raíssa
    Se nós que escrevemos nos apaixonarmos pelo vilão, o mocinho dança... rssssrs
    beijos, Marcia

    ResponderExcluir
  3. A luta é árdua: de um lado Rudá,do outro Rodrigo!
    E as escritoras,ao longo da trama, padecem em colocar cada um em seu devido lugar...mesmo que ambos sejam gts...rsrsrs
    Bjs,lindinha
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Marcia14/11/09

    Sissi, os selinhos estão lindos!!!!
    Beijos, Marcia

    ResponderExcluir
  5. Passei para conhecer o cantinho de vocês. Amei! Linkei vocês no meu blog, se não gostar avise-me que eu tiro. Beijos! Nice

    ResponderExcluir
  6. Sissi,a princesa...por que não?
    Obrigada por nos levar!!!
    Bjs tatuados,
    Cris

    ResponderExcluir
  7. Meninas,

    E meu livro, como é que faz? Ainda quero comprar um exemplar.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Uau! Esse Ruda eh uma coisa, hein? Adoro homi macho! rsrs

    Beijosssss meninassss

    ResponderExcluir

Queremos conhecer sua opinião :)

A Sacerdotisa Yana e o Capitão Rodrigo

Capa do livro "Herança da Paixão", de Shannon Drake
Minha'lma de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver
Não és sequer a razão do meu viver, pois que tu és já toda a minha vida

Não vejo nada assim, enlouquecida
Passo no mundo, meu amor, a ler
No misterioso livro do teu ser, a mesma história tantas vezes lida

Tudo no mundo é frágil, tudo passa
Quando te digo isso, toda a graça
De tua boca bonita fala em mim, de olhos postos em ti, digo de rastro

Podem voar mundos, mover astros
Que tu és como um deus, princípio e fim."

Florbela Espanca