Promoção de Natal

28 de out de 2009

A Sangue e Fogo - Pablo Neruda


Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Talvez consumirá a luz de Janeiro,
seu raio cruel, meu coração inteiro,
roubando-me a chave do sossego,
nesta história só eu me morro,
e morrerei de amor porque te quero,
porque te quero amor,
a sangue e fogo.

7 comentários:

  1. Olá, meninas!
    Desculpa a sumida e a falta de educação em nem aparecer para um agradecimento às visitas ao blog!
    Novembro esta chegando e desejo que vcs se livem daquele atraso de vida e consigam algo verdadeiro e promissor! Busquem por editoras de verdade que lhe deem o merecido retorno.
    Que tudo dê certo!
    bjus!

    ResponderExcluir
  2. Oi, On
    Esse é um verdadeiro desejo de sucesso!!!!!!!!!!!!
    Obrigada, amigo!!!
    Beijos, Marcia

    ResponderExcluir
  3. oi!
    Passa no K Romances que tem selinhos para você.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Snake,fizemos uma porção no Dia das Bruxas...rsrsrsrs
    Bjs tatuadaos da Cris

    ResponderExcluir
  5. Oba Ka,vamos lá pegar os mimos!!!
    Bjs,lindinha
    Cris

    ResponderExcluir
  6. Uau, esse querer declarado, almejado, tao desejado que emociona!

    Lindo, lindo!

    Beijos meninas!

    ResponderExcluir
  7. "morrerei de amor porque te quero"

    Dramático e intenso como eu só. rsrs

    Adorei. :D

    Beijos

    ResponderExcluir

Queremos conhecer sua opinião :)

A Sacerdotisa Yana e o Capitão Rodrigo

Capa do livro "Herança da Paixão", de Shannon Drake
Minha'lma de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver
Não és sequer a razão do meu viver, pois que tu és já toda a minha vida

Não vejo nada assim, enlouquecida
Passo no mundo, meu amor, a ler
No misterioso livro do teu ser, a mesma história tantas vezes lida

Tudo no mundo é frágil, tudo passa
Quando te digo isso, toda a graça
De tua boca bonita fala em mim, de olhos postos em ti, digo de rastro

Podem voar mundos, mover astros
Que tu és como um deus, princípio e fim."

Florbela Espanca