Promoção de Natal

23 de jan de 2010

Porque eu escrevo...



"Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir.

Não sou pretensiosa.

Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando,

às vezes chorando... "

Clarice Lispector

8 comentários:

  1. "O milagre da vida é escrever
    sua história,tendo a certeza que você deixou sua biografia
    gravada no coração de alguém."

    Beijão no core e ótimo fim de semana

    ResponderExcluir
  2. Adorei a definição da Clarice.

    Eu escrevo para tirar a emoção de mim.

    Alivia. :D

    Beijos lindinhas.

    ResponderExcluir
  3. Lindo é belo..
    Com certeza é um prazer, poder escrever e representar o que sente o coração.


    Agradeço o seu carinho e retribuo a sua amizade.
    Passe no blog da Curiosa e pegue acesso aos blogs Poetas um Voo Livre e Sinal de Liberdade.
    Tem selinho lá para vc.
    Te espero.
    São bem especiais.
    Com muito amor eu te espero lá.
    Sandra

    ResponderExcluir
  4. Zeus,deixar um pouco do que escrevi gravado no core de uma pessoa...sabia que eu nunca havia pensado assim? Achei fantástico!!!
    Bjs tatuados da Cris

    ResponderExcluir
  5. Neiva,quem escreve só transpõe para o papel o que lhe fala o coração!
    Bjs da Cris

    ResponderExcluir
  6. Sandra,escrever é como reaprender a respirar; depois de suplantar as mais preciosas emoções...
    Já levei os selinhos,obrigada!
    Bjs da Cris

    ResponderExcluir
  7. Olá Meninas, quanto tempo que não passo aqui, e sempre que venho me surpreendo.
    Esse espaço é ótimo, citando "Clarice", consegue ficar ainda melhor.
    Grande Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Brigaduuuuuuuuuuuuu,Fulvio!!!rsrsrsrs
    Apareça sempre,viu?
    Bjs da Cris

    ResponderExcluir

Queremos conhecer sua opinião :)

A Sacerdotisa Yana e o Capitão Rodrigo

Capa do livro "Herança da Paixão", de Shannon Drake
Minha'lma de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver
Não és sequer a razão do meu viver, pois que tu és já toda a minha vida

Não vejo nada assim, enlouquecida
Passo no mundo, meu amor, a ler
No misterioso livro do teu ser, a mesma história tantas vezes lida

Tudo no mundo é frágil, tudo passa
Quando te digo isso, toda a graça
De tua boca bonita fala em mim, de olhos postos em ti, digo de rastro

Podem voar mundos, mover astros
Que tu és como um deus, princípio e fim."

Florbela Espanca